top of page

Artigo McKinsey & Company: Ecossistemas digitais de saúde: vozes dos principais líderes de saúde

O COVID-19 tornou mais urgente do que nunca integrar ofertas online e offline e estabelecer ecossistemas de saúde integrados. Perguntamos aos principais líderes de saúde sobre suas opiniões para fazer essa mudança acontecer.


Em meio à interrupção do atendimento médico tradicional causada pelo COVID-19, alguns pacientes encontraram assistência por meio de novos serviços online, incluindo envio de contas digitais, assistência médica, teleconsultas online e medicamentos online. Talvez pela primeira vez, esses pacientes se viram parte de ecossistemas digitais de saúde, que são redes de provedores de serviços digitais que oferecem uma única solução para as necessidades de saúde dos usuários.


Dois artigos recentes da McKinsey - “A próxima onda de inovação em saúde: a evolução dos ecossistemas” e “Ecossistemas digitais de saúde: uma perspectiva de pagador” - destacam a importância e o potencial dos ecossistemas digitais de saúde em evolução, especialmente para as partes interessadas na saúde. No entanto, permanecem dúvidas sobre os papéis dos diferentes atores da saúde, porque eles podem diferir significativamente dependendo do mercado, estratégia, base de clientes e posição de cada player na cadeia de valor.


Este artigo da McKinsey analisa os dados de uma série de entrevistas com 22 importantes especialistas internacionais da indústria, bem como com 81 participantes da nona Mesa Redonda de Saúde Digital, para explorar os três temas a seguir: por que e quando os players de saúde procuram fornecer soluções digitais de saúde, que tipo de ecossistema de saúde digital os atores de saúde devem fornecer, e como a implementação de um ecossistema de saúde digital deve ser abordada.


1. Por que e quando os participantes da área de saúde buscam fornecer soluções digitais de saúde?


  • Ecossistemas digitais de saúde têm se tornado cada vez mais relevantes desde o início da pandemia COVID-19


As soluções digitais de saúde foram percebidas como um tópico altamente relevante por 68% dos entrevistados. Houve um aumento na demanda por soluções de saúde digitais convenientes após o surto de COVID-19, pois os canais tradicionais não apenas expuseram os pacientes ao vírus, mas também foram vistos como menos convenientes. Além disso, 61% dos entrevistados consideram o objetivo principal da saúde digital serviços para melhorar o bem-estar. Eles desejam “alcançar resultados claros e visíveis, que atualmente ainda são indiretos”. Além disso, 39% desejam acompanhar a concorrência e “temem ser interrompidos, já que grandes empresas de tecnologia e start-ups digitais podem alavancar suas capacidades tecnológicas e seus dados [gerados pelo cliente] como uma vantagem principal”. Essa resposta foi proeminente entre quatro dos oito grupos entrevistados: grandes empresas de tecnologia, provedores de saúde, o setor farmacêutico e pagadores/seguradoras. Outros objetivos principais mencionados incluem o desejo de aumentar a retenção de clientes (38%) e marketing ou branding (35%); saúde digital é vista como “uma boa área para marketing”. O último tópico foi especialmente escolhido por entrevistados de start-ups, pagadores e seguradoras.




  • Integrar produtos essenciais em ecossistemas digitais de saúde e oferecer jornadas de pacientes são vistos como essenciais



Quando solicitado por várias declarações sobre ecossistemas digitais de saúde, a grande maioria dos entrevistados geralmente concordou que os ecossistemas irão gerar grande impacto econômico (86%), são essenciais para oferecer aos clientes existentes (82%) e precisam ser integrados aos produtos existentes (77%). A crença central mais comum sobre os ecossistemas digitais de saúde é que os pacientes procuram jornadas integradas em vez de soluções únicas (90%).


Além disso, 63% dos entrevistados acreditam que estão mais bem posicionados para orquestrar um ecossistema de saúde. Dos grupos que geralmente concordaram que poderiam orquestrar um ecossistema digital, os pagadores e provedores de saúde expressaram mais confiança, enquanto a indústria farmacêutica entrevistada foram os menos confiantes. Isso sugere que pode haver diferentes proprietários naturais, dependendo das condições médicas ou etapas da jornada, como ao passar da conscientização para o diagnóstico ou do tratamento para o gerenciamento da adesão.


  • A implementação de soluções digitais de saúde muitas vezes é considerada crítica em termos de tempo, mas requer um planejamento cuidadoso



A maioria dos participantes da pesquisa prevê a implementação de soluções digitais de saúde nos próximos três anos. Especificamente, os players acreditam que "um ecossistema funcionando bem ainda levará algum tempo", com 41% esperando avançar neste tópico dentro de um a três anos, 36% dentro de seis meses a um ano e 23% nos próximos seis meses. Além disso, os entrevistados não acreditam que um período de tempo de mais de três anos seja necessário porque muitos já incluem os ecossistemas em seus planos estratégicos. Isso reforça o fato de que, se os agentes de saúde desejam fazer parte da criação de ecossistemas digitais de saúde, eles devem iniciar conversas o mais rápido possível.


2. Que tipo de ecossistema digital de saúde os participantes da área de saúde devem fornecer?


  • A conveniência é vista como o principal fator de sucesso para os clientes, seguida pela confiança e impacto nos resultados de saúde



77% dos entrevistados esperavam alta demanda por ecossistemas digitais de saúde convenientes entre os clientes. Embora uma das crenças básicas seja que os pacientes desejam jornadas integradas (conforme observado na seção anterior, 90% em geral concordam), existem três fatores de sucesso que são considerados ainda mais importantes do que as jornadas de ponta a ponta. Os entrevistados “consideram a conveniência como o fator de sucesso número 1 para alcançar e reter clientes com [suas] soluções de saúde digital”. Em seguida, a confiança (60%) e o impacto nos resultados de saúde (53%) são vistos como requisitos importantes para satisfazer as necessidades do cliente.


  • A abordagem de uma jornada estratégica integrada


Os entrevistados preferem amplamente a abordagem estratégica, em que aplicativos individuais fazem referência uns aos outros, com o cliente precisando apenas de uma conta de logon único. Isso é especialmente verdadeiro para participantes do setor farmacêutico, farmácias, tecnologia médica, start-ups e governos. Por outro lado, os provedores de saúde, grandes empresas de tecnologia e pagadores/seguradoras preferem a chamada abordagem superapp, na qual um aplicativo integra várias funcionalidades de vários provedores em um só lugar. Enquanto os players presumem que os clientes exigirão jornadas integradas do paciente, 64% consideram a abordagem de uma jornada estratégica integrada "mais realista" porque integrar várias soluções em um único aplicativo é altamente complexo e requer um esforço significativo por solução.


A abordagem destacada acima é predominantemente presente nos países europeus em todos os setores. Isso se deve às regras existentes, como o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) e regulamentos adicionais específicos para determinados países, bem como às preocupações com a privacidade e a segurança dos dados. No entanto, por vários anos, a China e outros países asiáticos têm usado predominantemente superapps, que incluem uma variedade de serviços, desde entrega de comida até telemedicina.


  • Uma jornada mínima ideal para o paciente é ‘telemedicina para farmácia online’



71% dos entrevistados veem a jornada do paciente de “telemedicina para farmácia on-line” como uma posição inicial ideal. Um desenvolvimento ágil com uma jornada mínima viável do paciente como ponto de partida pode ajudar outras soluções, como “verificador de sintomas para telemedicina”. Começando com a jornada da telemedicina para a farmácia on-line, inclui o uso de prescrições eletrônicas, que têm um potencial significativo para acelerar a digitalização na área de saúde. Por exemplo, nos próximos anos, aproximadamente 8% a 10% do mercado farmacêutico alemão poderia ser abastecido exclusivamente por este canal online. Por outro lado, "soluções de gestão de saúde para telemedicina" não são vistas como uma posição inicial viável pelos entrevistados.


3. Como deve ser abordada a implementação de um ecossistema digital de saúde?


  • O direcionamento estratégico claro e as transformações culturais são vistos como os principais fatores de sucesso para a implementação, além de colaborar com os parceiros certos e ter know-how tecnológico



Uma direção estratégica clara (74%) e transformação cultural (62%) são considerados os fatores de sucesso mais importantes para a implementação de um ecossistema de saúde digital. Isso mostra que muitos players gostariam de construir ecossistemas, mas não têm certeza de como proceder estrategicamente ou como mudar mentalidades culturais. Além disso, 54% dos entrevistados identificam a colaboração com o conjunto certo de parceiros e 38% identificam as capacidades tecnológicas ou know-how como sendo importantes para alcançar "um amplo alcance do cliente, mesmo que você tenha uma pequena participação de mercado". Os participantes do ecossistema não veem os retornos de curto prazo como um requisito porque acreditam em um esforço de longo prazo ao construir um ecossistema de saúde digital.


Os entrevistados também apontaram repetidamente a interoperabilidade como um fator de sucesso além das respostas sugeridas para a pesquisa. Como exemplo, um entrevistado disse: “Fornecer interoperabilidade apenas no gerenciamento de dados não é suficiente para um ecossistema de sucesso. Ele também precisa de uma identidade interoperável, consenso e gerenciamento de fluxo de trabalho ”para criar uma experiência consistente do cliente. Outro disse: “Precisamos de um conjunto de dados amplo e integrado que possa facilmente trocar dados de um ponto da jornada do paciente para outro”.


  • Grandes Players de tecnologia, provedores de saúde e start-ups de saúde digital são vistos como as forças motrizes no ecossistema de saúde digital



A maioria dos entrevistados da pesquisa vê grandes empresas de tecnologia (62%), provedores de saúde (50%) e start-ups de saúde digital (47%) como forças motrizes para soluções de saúde digital. Um entrevistado resume o papel das diferentes partes interessadas desta forma: “As grandes empresas de tecnologia estão construindo a rodovia, enquanto as start-ups estão construindo os carros e os governos estão removendo os bloqueios de estradas”. Portanto, embora os entrevistados esperem que os governos estejam entre os atores menos importantes na implementação de ecossistemas digitais de saúde, eles também podem desempenhar um papel importante na capacitação de outros.


Enquanto todos os participantes presumem que as grandes empresas de tecnologia serão a força motriz no desenvolvimento de ecossistemas digitais de saúde, os grandes participantes da tecnologia não se classificam na categoria superior. Em vez disso, eles veem pagadores, start-ups de saúde digital e provedores de saúde no topo. Curiosamente, essa visão é refletida pelo fato de que pagadores, start-ups de saúde digital e provedores de saúde são os únicos participantes que se classificam na categoria superior.


Quem você acha que será a força motriz no campo das soluções digitais de saúde?


  • Os participantes preferem "fazer" o front-end enquanto "colaboram ou compram" o back-end, com recursos e velocidade sendo os principais fatores de decisão



73% dos entrevistados preferem construir o front end. Eles querem "controlar os pontos de contato do cliente para acessar e orientar os pacientes" e acreditam que "têm um entendimento profundo das necessidades do paciente".


Em contraste, 71% estão dispostos a colaborar com parceiros ou comprar tecnologia de back-end. As vantagens potenciais apontadas pelos entrevistados incluem a compensação por recursos ausentes e o aumento da velocidade. Posteriormente, risco, controle e custo desempenham papéis menos importantes. No entanto, alguns players perceberam que “manter e operar o sistema por si próprios é muito caro”.


Ecossistemas digitais de saúde têm maior probabilidade de sucesso se os players puderem identificar suas contribuições individuais e criar seus próprios roteiros. Isso depende de vários fatores, incluindo tamanho, modelo de negócios, adequação cultural, capacidades, experiência, parcerias existentes e regulamentações específicas para determinados países. Considerando que todos os entrevistados de nossa pesquisa preveem que os ecossistemas de saúde digital irão evoluir nos próximos três anos - ou mesmo neste ano - é claro que os players devem agir rapidamente para refletir sobre sua posição no status quo e determinar os pontos fortes de seus papéis no cenário de saúde digital.




1 comentario


Existem algumas maneiras diferentes de como ver historico de chamadas de outro celular. Uma maneira é usar um aplicativo registrador de chamadas. Esse tipo de aplicativo rastreará todas as chamadas e mensagens de texto enviadas e recebidas no telefone de destino. O aplicativo armazenará essas informações no armazenamento do próprio telefone ou na nuvem. Essas informações podem ser acessadas pela pessoa que instalou o aplicativo no telefone de destino. Outra maneira de ver o histórico de chamadas de outro celular é usar um aplicativo espião. Esse tipo de aplicativo rastreará todas as atividades no telefone de destino, incluindo chamadas, mensagens de texto, histórico de navegação e localização GPS. O aplicativo armazenará essas informações no telefone de destino ou na nuvem.…

Me gusta
bottom of page