top of page

R3: Right Care, Right Place, Right Time


Os condomínios direcionados para o senior’s estão crescendo mundo afora. Nos EUA, estão bem posicionados para detectar e reduzir as barreiras sociais à saúde, e é um nicho de mercado em franca expansão. Tive a oportunidade de conhecer alguns condomínios e alguns serviços, e o da R3 é uma referência, que tem como missão elevar os padrões de saúde e habitação para idosos por meio da inovação e liderança nos níveis local, estadual, nacional e internacional. A R3 está afiliada à Harvard Medical School em Boston.


A R3 criou uma plataforma para integração de saúde e habitação. Foi lançado em 2016 pela Hebrew SeniorLife, um provedor multifacetado de comunidades de idosos e saúde na área metropolitana de Boston, financiado por subsídios totalizando US$ 1,7 milhão, em 4 anos. O programa começou com a visão de criar um modelo de habitação replicável, escalonável e sustentável com serviços de apoio para permitir que os idosos vivam de forma independente o maior tempo possível, recebendo os cuidados certos no lugar certo na hora certa, enquanto reduz os custos de saúde para esta população, que é crescente.


O programa da R3 incorporou coordenadores de bem-estar e enfermeiras em sete condomínios e hoje tem 400 residentes, incluindo 85 que eram membros de planos de saúde de parceiros, e estabeleceram programas de educação em saúde e bem-estar no local.


Na R3 é feita uma avaliação inicial e re-avaliações dos residentes para a criação de planos de cuidados individuais usando a ferramenta de modelo de coaching, para identificar riscos e necessidades sociais e de saúde, como insegurança alimentar, má nutrição, dificuldade de tomar medicamentos, quedas, idas frequentes ao pronto-socorro e desafios de cognição e saúde mental.


Por exemplo, a equipe de hospedagem no local sabe se os residentes estão caindo, deprimidos ou se alimentando mal. Ao intervir em um estágio inicial - de preferência em colaboração com os prestadores de cuidados de saúde dos residentes, o condomínio pode interromper uma sequência de eventos que, de outra forma, levariam a complicações de saúde evitáveis, internações hospitalares ou transições precoces para cuidados de longo prazo para residentes.


Com as equipes de cuidados dos residentes, incluindo família, gestores de planos de saúde, médicos e equipes de cuidados de idosos, apoia residentes para facilitar transições bem-sucedidas de cuidados de hospitais e outros ambientes de saúde para sua casa, no condomínio, e principalmente sua qualidade de vida, bem-estar e segurança.


Desde o início, a R3 teve como objetivo construir um modelo replicável de habitação para idosos com serviços locais que seriam sustentados por fundos de pagadores de cuidados de saúde. A proposta de valor subjacente para parceiros de saúde era que as intervenções direcionadas aos locais onde os idosos passam a maior parte do tempo podem reduzir a utilização e os custos dos cuidados de saúde. Essa premissa foi demonstrada em dois modelos anteriores de condomínios com serviços: o programa Support and Services at Home em Vermont e o programa Housing with Services em Portland, Oregon. Embora essa evidência fosse promissora, os planos de saúde de Massachusetts precisavam ver os resultados de uma prova de conceito local antes de comprometer fundos para o programa R3.


Usando a estrutura Triple Aim, a R3 estabeleceu metas e indicadores específicos para saúde, satisfação pessoal e relação custo-benefício. O programa teve como objetivo uma redução de 20% nas transferências emergência de Hospitais, hospitalização e transferências para cuidados de longa permanência, em comparação com a linha de base em 18 meses. Os planos de saúde garantiam o alinhamento de metas ao definir métricas que interessavam a todas as partes. Os pagamentos para a R3 foram baseados na realização de medidas de processo e resultado, com uma porcentagem de risco com base nos resultados. Estas mudanças de utilização incluía um potencial economia para planos de saúde.


A R3 demonstrou uma redução de 19% nas admissões hospitalares ajustadas por idade ao longo de um período de 18 meses. Além disso, um declínio estatisticamente significativo nas transferências de ambulâncias de 18% para estruturas de saúde especializadas. No início de outubro de 2021, o Tufts Health Plan e a Commonwealth Care Alliance, ambos planos de saúde regionais, estão pagando pelos serviços da R3 para seus clientes que moram nos condomínios participantes.


Com outro parceiro de saúde, Fallon Ambulance, a R3 lançou uma parceria inovadora para identificar e abordar transferências evitáveis ​​para o PS. Para Fallon, a proposta de valor foi a oportunidade de testar um novo modelo de entrega. Os dados da Fallon mostraram que um terço dos transportes para o hospital eram para fins não emergenciais - em outras palavras, para resolver problemas que provavelmente poderiam ser resolvidos sem uma visita ao hospital. A Fallon Ambulance compartilhou a visão de reduzir os transportes hospitalares evitáveis ​​e se comprometeu a trabalhar com o R3 para lidar com essa utilização desnecessária, que não apenas aumenta os custos, mas também cria estresse e outros efeitos colaterais para os residentes e suas famílias.


Embora possa parecer contra-intuitivo para uma empresa de ambulância trabalhar na redução dos transportes, que são a base de sua receita, a Fallon estava testando um novo serviço de saúde da comunidade, e queria usar a experiência da R3 para demonstrar seu valor. Fallon compartilhou dados detalhados com a R3 sobre quem estava sendo transportado e por quê. Esses dados ajudaram as equipes de bem-estar da R3 a identificar tendências, grandes usuários e motivadores de chamadas de serviços médicos de emergência para que pudessem intervir para resolver os problemas, como quedas frequentes, que levam a chamadas evitáveis. Esta parceria e o foco no transporte de emergência foram exclusivos da R3 e ajudaram a impulsionar melhorias na utilização e custos de cuidados de saúde.


Em grupos focais, os residentes identificaram vários benefícios do programa da R3, incluindo a complementação de suporte médico e familiar existente; monitorar e auxiliar na gestão de medicação nutricional e gestão de saúde mental; identificar e providenciar serviços e apoios, como enfermeiras visitantes, serviços de saúde mental, transporte, modificações em casa e equipamento médico; e auxiliar nas transições de cuidados pós-agudos. Os residentes também relataram altos níveis de satisfação com o programa.


O valor do programa para os participantes baseava-se nessas relações de confiança com a equipe da R3. Equipes locais de enfermeiras de bem-estar e coordenadores de cuidados ajudam os residentes a obter serviços em todos os níveis. Eles também ajudam quando os residentes não sabiam o que fazer e, de outra forma, teriam ligado para a emergência. À medida que os relacionamentos se aprofundaram, os residentes procuraram as equipes no condomínio antes de encontrarem problemas, e as equipes aprendem a se antecipar aos problemas e entrar em contato proativamente com moradores. O valor para os residentes é demonstrado por suas altas taxas de engajamento ao longo do programa.


O programa da R3 aproveitou a infraestrutura existente de condomínios e hotéis. Ao localizar serviços onde os residentes viviam, o programa R3 baseou-se em relações de confiança existentes e implantou olhares abrangentes de todos os funcionários do condomínio, incluindo manutenção, limpeza, motoristas e recepção. O modelo baseado no local também apoiou a eficiência e economias de escala na entrega de serviços.


Avaliações contínuas apoiaram a adaptação contínua da cadeia de valor para atender às mudanças nas necessidades dos residentes. Por exemplo, residentes em risco de transporte evitável e hospitalização foram oferecidos os programas de prevenção de quedas, verificações de bem-estar e lembretes de medicamentos junto com a assistência conectada a provedores na comunidade para lidar com situações não emergenciais.


A combinação de avaliação de risco individual, treinamento de saúde e conexão com os serviços ajudou a R3 a adaptar a cadeia de valor a cada residente. Esta abordagem abrangente identificou e abordou os diversos desafios que contribuíram para a utilização desnecessária ou evitável de pronto-socorro e hospital.


Para os parceiros, a adaptação da cadeia de valor começou com acordos formais entre a R3 e seus parceiros do programa para definir fluxos de trabalho detalhados, compartilhamento de dados e protocolos de comunicação que garantiram a estabilidade e integridade do modelo operacional em todo o programa. Um grupo consultivo trimestral que incluía todos os parceiros ajudou a moldar o programa continuamente.


A essência da cadeia de valor dinâmica da R3 é a interação entre um foco inabalável nos resultados, medição consistente em um nível granular e ajustes para melhorar a eficácia do programa. Medições rigorosas permitiram que a R3 avalie e melhore a eficácia de sua cadeia de valor e determinar se os residentes permaneceram engajados no programa e realmente receberam serviços que aliviariam suas barreiras sociais à saúde.





Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page